Como oferecer um atendimento diferenciado na Telemedicina?

Diante da pandemia de COVID-19, iniciada este ano, o Ministério da Saúde junto ao CFM, regularizaram a autorização do atendimento médico virtual – Telemedicina. Serviço realizado em diversas instituições de saúde. No entanto, esse modelo de assistência médica não limita-se aos pacientes com sintomas de COVID-19, estende-se a outros tipos de doenças.

O atendimento online não é uma novidade para a maioria dos profissionais de saúde, pois de alguma maneira já fizeram suportes não presenciais. Seja por e-mail, aplicativos de mensagem ou telefone. Mas, vale lembrar que, a consulta remota demanda além de qualidade e competência, uma estrutura tecnológica que assegure a proteção das informações transmitidas entre paciente e médico.

Tipos de atendimento na Telemedicina

Há 3 formas de Telemedicina aplicadas neste período de pandemia. Uma delas é a Teleconsulta. Basicamente, é uma consulta normal entre o médico e o paciente, mas de forma remota. Outro modelo é a Teleinterconsulta, usada por profissionais de saúde a fim de obter uma segunda avaliação, ouvindo a opinião de um especialista de outra área.

Enquanto isso, a Teleorientação é utilizada durante o momento pandêmico para a orientação de pacientes com sintomas similares ao COVID-19. Desse modo, é possível conduzir remotamente todo o pré-atendimento dessa pessoa. Caso o médico perceba gravidade no caso, encaminha o paciente para uma assistência presencial.

Como melhorar o atendimento médico virtual?

Os princípios da medicina, como: ética, respeito à vida e humanização no atendimento devem ser iguais na consulta presencial e online. Ou seja, o trabalho virtual demanda o mesmo profissionalismo e cuidado que o presencial. Portanto, o médico precisa encontrar meios de minimizar a distância e ter uma conversa agradável e efetiva.

Veja algumas dicas para um atendimento diferenciado na Telemedicina.

Atenção que faz a diferença

Tanto na consulta tradicional quanto na Telemedicina, é essencial exercer a escuta ativa. Então, o médico deve estar preparado para ouvir com atenção todas as reclamações, dúvidas e sentimentos apresentados durante o atendimento. Além disso, precisa praticar uma fala mais lenta e simples.

Toda o cuidado apresentado pelo profissional de saúde é visto pelo paciente, mesmo à distância. Esses pequenos atos, permitem uma consulta agradável e tornam o ambiente receptivo, onde o paciente pode escutar com tranquilidade as orientações.

Utilize uma plataforma de Telemedicina confiável

Manter a confidencialidade e preservar os dados armazenados no momento da consulta é uma das maiores preocupações da comunidade médica. Sendo assim, é básico contar com uma plataforma que garanta a segurança das informações.

Ao contratar a plataforma para o serviço de Telemedicina, certifique-se de que os dados passam por criptografia. Além disso, verifique se o armazenamento das informações é seguro. Lembre-se, desse modo, você garante a proteção e o sigilo do paciente e também evita diversos problemas em relação à legislação vigente.

Conformidade e excelência

Você apresentou um atendimento diferenciado e especializado aos pacientes? Segue todas as diretrizes da lei durante a consulta? Então, na hora de enviar as Guias Médicas e Hospitalares aos convênios, não esqueça de utilizar o padrão TISS, regulamentado pela ANS.

Quando chegar a hora de enviar as Guias TISS aos planos de saúde, valide os documentos anteriormente. O Validador TISS pode ajudar sua clínica ou hospital a evitar as glosas. Acesse o sistema, confira se as guias estão em conformidade com o padrão TISS e prossiga com o envio. Mantenha a excelência do início ao fim dos trabalhos.

Dúvidas ou sugestões? Converse com a gente no fórum.